Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Estrias’ Category

Já falei aqui no blog sobre as indicações e o funcionamento do ácido retinóico . Dado o grande interesse do respeitável público em saber mais sobre o assunto (o post de ácido retinóico é o mais visitado do blog – valeu Ciça!) decidi falar então sobre outros ingredientes que são parecidos, mas que tem características diferenciadas, e escolhi o ácido glicólico para começar.O ácido glicólico é um alfa-hidróxi-ácido (ok, o que exatamente isso significa não faz muita diferença). Assim como outros ácidos orgânicos como o lático, tártarico, cítrico e o málico, ele é derivado de alimentos, no caso da cana-de-açúcar. Entre os outros ácidos citados, o glicólico é o que tem a menor estrutura molecular e assim, melhor absorção pela pele.

O ácido glicólico puro tem pH (índice de acidez) próximo a 1,0 (ou seja, ele é muuuito ácido), e por isso tem que ser neutralizado (isto é, diluído) para ser usado dermatologicamente (ou não seria tolerado pela pele).

Vem da cana-de-açúcar um dos ingredientes mais usados pelos dermatologistas.

Vem da cana-de-açúcar um dos ingredientes mais usados pelos dermatologistas.

O ácido glicólico tem o poder de atuar aumentando a estrutura da epiderme (a camada mais externa da pele), da derme, e do colágeno, sendo eficiente para reverter os danos causados pelas cicatrizes da acne, bem como do fotoenvelhecimento cutâneo (melhora da textura e coloração e diminuição das rugas). O ingrediente também tem ação esfoliante, assim, além de estimular as células mais jovens, ele também ajuda a penetração de outros produtos na pele (como a vitamina C , por exemplo). Além do rosto o produto também pode ser usado no corpo para redução das estrias recentes (aquelas vermelhas).

Ao contrário do ácido retinóico, (que é sempre considerado medicamento e toda vez que aparecer na composição de um produto ele passa a ser considerado um medicamento e necessita, portanto, de prescrição médica) o ácido glicólico dependendo da sua concentração pode ser encontrado em cosméticos, em dermocosméticos (com eficácia comprovada através de estudos clínicos) e medicamentos. O ingrediente pode ainda ser usado em procedimentos realizados por médico dermatologistano consultório como peelings superficiais e médios.

Se comparado ao ácido retinóico, o glicólico costuma oferecer menos efeitos colaterais e, em contrapartida, ser menos eficiente. Ele é especialmente indicado para pessoas que tendência à formação de talangeictasias (que são pequenas varizes avermelhadas que aparecem na pele) já que elas aumentam com o uso de ácido retinóico (clique e leia estudo completo sobre o assunto se quiser se aprofundar).

Assim como diversos outros ácidos, inclusive o retinóico, a pessoa que está usando produtos a base de ácido glicólico deve evitar ao máximo a exposição ao Sol e usar sempre protetor solar .

Diacneal da Avéne é um dos dermocosméticos que contém Ácido Glicólico na sua composição.

Diacneal da Avéne é um dos dermocosméticos que contém Ácido Glicólico na sua composição.

Como peeling superficial o ácido glicólico pode ser usado nas concentrações entre 40 e 70%, devendo permanecer na face por cerca de 5 minutos, sendo depois neutralizado. Para um peeling médio ele pode ser usado na mesma concentração por um tempo maior (não passando de 20 minutos), segundo o site da dermatologista Denise Steiner .
No mercado existem diversos produtos contendo o ácido glicólico, além daqueles que podem ser formulados pelos médicos.
O medicamento comercial pronto mais conhecido é o Glyquin XM que contém ácido glicólico a 10% e hidroquinona (um agente clareador) e é especialmente indicado para clareamento de manchas como melasma .

Entre os dermocosméticos é bastante prescrito o Diacneal da Avéne , que contém ácido glicólico a 6% (eu uso é gosto bastante!). Tem também o Dermage Clarité peeling off , entre uma série de produtos que contém o ingrediente na sua composição.

É importante sempre lembrar que apesar de existirem diversos cosméticos e dermocosméticos contendo o ácido glicólico em sua composição o ideal é que esses produtos sejam prescritos por um médico dermatologista (o que é obrigatório no caso dos medicamentos). Ele pode avaliar se o produto é mesmo o melhor para o seu tipo de pele, bem como qual a concentração é a mais adequada, afinal usar a sua pele como pista de teste de produtos de beleza não é uma boa idéia, né?

Read Full Post »

As pessoas mais esotéricas acreditam muito no poder dos cristais, que são usados desde a antiguidade para harmonizar as esferas físicas, psicológicas e espirituais do organismo. Já as pessoas mais tradicionais sabem da elegância e sofisticação que o material leva. Mas não é sobre esse tipo de cristal que vou tratar nesse post e sim sobre micro partículas de cristais de alumínio usados para embelezar a pele.

Trata-se de um procedimento que já é conhecido desde a década de 30, mas que a partir dos anos 90 foi retomada por médicos europeus e que daí se disseminou pelo mundo: o peeling de cristal, também chamado de peeling da hora do almoço.

O peeling de cristal é rápido, não dói e já dá resultado na primeira sessão.

O peeling de cristal é rápido, não dói e já dá resultado na primeira sessão.

Conhecido pelos médicos com o nome de microdermoabrasão, a técnica consiste em esfoliar a pele com um aparelho que emite cristais de hidróxido de alumínio e ao mesmo tempo aspirar junto com ele as impurezas que estão na superfície da pele. Sabem aquelas marquinhas que dão vontade de pegar uma lixa para ver se sai? Então é para essas que existe esse “lixamento” profissional.

Além de deixar a pele mais bonita a microdermoabrasão ainda aumenta os efeitos dos tratamentos com cremes.

Além de deixar a pele mais bonita a microdermoabrasão ainda aumenta os efeitos dos tratamentos com cremes.

O procedimento é rápido, dura cerca entre 15 e 20 minutos. A pessoa que está aplicando pode controlar a intensidade da esfoliação (normalmente começando com uma forma mais leve). Não é dolorido, já que é superficial. Normalmente a paciente pode retomar as suas atividades assim que sair da sessão (em geral são indicadas entre 3 a 10 dependendo da indicação), mas pode ficar uma vermelhidão momentânea na pele. Os principais cuidados após o tratamento são manter a proteção solar (evitando a exposição intensa) e hidratar a pele (que pode ficar mais sensível).

A vantagem do tratamento é que ele começa a dar resultado já a partir da primeira sessão, quando é possível sentir a pele mais lisa e sedosa. Adoro!

A esfoliação da camada superficial estimula a produção de colágeno e a renovação celular das camadas mais internas da pele. Por isso o peeling de cristal está indicado para combater os efeitos do fotoenvelhecimento, manchas, cicatrizes de acne, e estrias e rugas finas.

Além disso, por deixar a pele mais fina, após o peeling de cristal os tratamentos com cremes e loções tentem a funcionar de maneira mais eficaz. O preço das sessões costumam variar de acordo com o profissional e ficam em torno de R$ 200,00.

Se você quiser algo mais glamuroso, pode experimentar o Whine Peel, que além da esfoliação também é aplicado na pele do paciente um ácido de uva, vinho tinto e vinho branco (me deu até vontade 😉 favorecendo ainda mais o efeito antioxidante já que a uva contém polifenóis que combatem os radicais livres. Mais detalhes no site derme  (não consigo colocar o link completo então quem quiser tem que entrar no site clicar em tratamentos faciais e depois Micropeel).

Se você é adepta do faça você mesmo existe uma opção caseira da Neutrogena que custa US$ 30,00. O produto foi avaliado por 54 usuário do site acne.org recebendo notas 3,6 de funcionamento e 3,5 de preço (numa escala de 0 a 5). Eu pedi para o marido trazer para mim de viagem e assim que eu testar eu venho contar. Diz na embalagem que 11 aplicações em casa correspondem aos efeitos de duas sessões profissionais. Veremos!
O que já falamos no blog sobre tratamentos para
Acne
Estrias
Manchas

Peelings em casa

Read Full Post »

A origem do uso do ácido retinóico está na descoberta da vitamina A no início do século XX. Temos necessidade diária de um consumo de 5.000 unidades de vitamina A, facilmente encontrada em vegetais amarelos e verdes. A deficiência da vitamina A provoca visão embaçada e faz com que a pele fique seca, avermelhada e descamada.

Durante a década de 30 a vitamina A foi utilizada em altas doses para tratar doenças da pele, mas seus efeitos colaterais (como dor de cabeça, zunido no ouvido, lábios cortados e ressecados, dores articulares e queda de cabelo) além da toxidade no fígado se usada em altas doses limitaram o seu uso.

Vegetais como a cenoura são uma fonte natural de Vitamina A, de onde vem o ácido retinóico.

Vegetais como a cenoura são uma fonte natural de Vitamina A, de onde vem o ácido retinóico.

Devido a essa alta toxicidade é que a vitamina A natural em altas doses foi abandonada e se começou a buscar derivados sintéticos. A Isotretinoina oral foi o primeiro derivado sintético da vitamina A aprovado nos EUA para tratamento da acne cística. Na mesma época o etretinato foi liberado para tratamento da psoríase.

Diferentemente desses dois derivados citados o ácido retinóico (tretinoina) é um metabólico natural da vitamina A. É a vitamina A ácida, a principal forma da vitamina encontrada na pele. Seu efeito se dá sobre o DNA da célula da pele, aumentando a capacidade de renovação da pele.

O primeiro uso do ácido retinóico tópico foi para o tratamento da Acne, com o tempo os pacientes relataram uma diminuição nas rugas, especialmente as mais finas, com o uso prolongado do medicamento.

Com a experiência clínica foi-se percebendo que todos os efeitos do fotoenvelhecimento (envelhecimento da pele devido à exposição ao Sol) podem ser diminuídos com o uso prolongado do ácido retinóico em gel ou creme. Ou seja, pode-se diminuir manchas e rugas. Além disso a pele fica mais fina, com uma coloração mais rosada, parecendo mais jovem. As células com pigmento são melhor distribuídas e diminui o agrupamento de tecido elástico com regeneração do colágeno.

Como efeitos adversos, principalmente depois das primeiras aplicações, o produto pode trazer ressecamento, vermelhidão e descamação da pele.

O grande problema do ácido retinóico é a que ele aumenta a sensibilidade da pele ao Sol: os pacientes devem usar filtro solar com FPS alto, aplicar o produto à noite e interromper o tratamento pelo menos 48 horas antes de se expor ao sol.

Na verdade o ácido retinóico deixa a pele mais sensível a tudo, especialmente perfumes e cosméticos, então durante o tratamento deve-se limpar a pele com sabonete neutro.

Tratamentos com ácido retinóico precisa de acompanhamento médico.

Tratamentos com ácido retinóico precisa de acompanhamento médico.

Existem derivados do retinóico com ação semelhante e menos restrições, como o tazacopeno. ”Os resultados são iguais e não há fotossensibilidade, mas ele não é encontrado no Brasil, e por isso o preço é alto”, comenta Otávio Macedo.

Além do tratamento para acne e para combater os efeitos do envelhecimento, o ácido retinóico também é usada no tratamento de estrias , e os bons resultados aparecem especialmente nas estrias mais recentes, de coloração avermelhada.

É importante lembrar que o ácido retinóico é um medicamento que necessita de prescrição e um acompanhamento constante de um dermatologista. Já o Retinol (nome que se dá a forma álcool dessa vitamina) pode ser usado em cosméticos (sem prescrição) e com efeitos bem menores se comparados ao ácido retinóico.

Na gravidez e na amamentação, o ácido retinóico é proibido: passa pelo leite, causa malformação no feto e pode afetar o desenvolvimento do bebê. Os resultados não são imediatos, deve-se usar o produto constantemente por pelo menos 6 meses para ver bons resultados.

Uso doméstico – O ácido retinóico não pode entrar na formulação de cosméticos, mas pode ser prescrito pele dermatologista para uso em casa, em concentrações baixas como 0,025% e 0,05%. Por ser extremamente fotossensível, só pode ser usado á noite.

Uso em consultório – O retinóico já foi mais requisitado para peelings, em concentrações de 1% a 5% em sessões semanais. Hoje, com a concorrências de substancias mais modernas e rápidas, ele esta sendo mais utilizado para complementar a ação de outros ácidos ou peelings.
Os medicamentos com ácido retinóico podem ser prescritos na forma manipulada, com a concentração ideal para cada tipo de pele e fase do tratamento. Existem duas formulações comerciais com o composto: o Vitanol A e o Retin-A

Além do uso estético, por atuar no DNA celular o ácido retinóico também tem sido usado de maneira promissora no tratamento de formas de câncer especialmente na pele e na bexiga (mas há estudos sendo feitos com sua aplicação também em outros tipos de tumores). Para mais detalhes sobre os usos da vitamina A e seus derivados em dermatologia e oncologia entre aqui.

– Veja mais sobre tratamentos para acne aqui e aqui

– Veja mais sobre tratamento contra estrias aqui

– Veja mais sobre tratamentos contra rugas e envelhecimento aqui e aqui

Read Full Post »

Alterações na pele durante a gravidez são muito comuns. Então, atendendo a pedidos, vou começar uma série de posts (não na seqüência, até porque ficaria cansativo) sobre as principais alterações estéticas causadas pela gestação. 

Como continuar linda durante e depois da gravidez

Como continuar linda durante e depois da gravidez

Vou começar falando das estrias porque é a alteração estética mais comum durante a gravidez atingindo 90% das mulheres (nossa, fiquei até feliz por saber que dessa vez eu faço parte das 10% que não têm).

Na gravidez as estrias aparecem principalmente na barriga, por razões óbvias, mas podem aparecer também nos seios (o que é bem comum também durante a adolescência) e em outras partes do corpo (principalmente se a pessoa engorda muito em um curto período de tempo).

As estrias são lesões causadas pela degeneração das fibras elásticas da pele que ocorrem por sua distensão exagerada ou devido a alterações hormonais. É como se o elástico da pele esticasse ao ser puxada muito forte.

Como evitar?

O surgimento das estrias depende de uma tendência pessoal. Algumas pessoas as desenvolvem mesmo com pouca distensão da pele e outras não desenvolvem estrias nem na gravidez, quando a distensão da pele é muito grande, portanto a genética é um fator muito importante, se a sua mãe tem estrias provavelmente você também não vai escapar.

De acordo com o site dermatologia.net recomenda-se a hidratação intensa da pele com cremes e loções hidratantes para tentar evitá-las, principalmente em pessoas com histórico familiar de estrias. Deve-se beber pelo menos 8 copos grandes de água por dia (2 litros) e evitar engordar demais e rapidamente, eliminando doces e gorduras da dieta e praticando exercícios físicos regularmente.  

Hidratar por dentro e por fora é importante para (tentar) evitar as estrias na gravidez.

Hidratar por dentro e por fora é importante para (tentar) evitar as estrias na gravidez.

Eu usava durante a gravidez um produto delicioso da Clarins  

Como tratar?

As estrias são lesões irreversíveis e portanto não existe um tratamento que faça a pele voltar ao que era antes. Os tratamentos visam melhorar o aspecto das lesões, estimulando a formação de tecido colágeno subjacente e tornando-as mais semelhantes à pele ao redor.

Até o parto e durante o período de amamentação o que os médicos costumam indicar, conforme o estudo sobre dermatoses na gestação são cremes hidratantes ou de algas marinhas com uréia a 5% e éster de vitamina C 0,05 a 1% para massagens diárias nos locais mais freqüentemente acometidos. Emolientes calmantes como a calamina podem também ser indicados se há coceira na região.

Depois desse período várias técnicas podem ser empregadas, entre elas:

  • Tratamento com ácidos: alguns tipos de ácidos, especialmente o ácido retinóico, estimulam a formação de tecido colágeno, melhorando o aspecto das estrias. Pode haver descamação e vermelhidão e a concentração ideal para cada caso deve ser definida pelo dermatologista, de acordo com o tipo de pele. Deve ser evitada a exposição solar. Um estudo de 2001 avaliou o uso da tretinoina creme (0,1%) utilizado por 20 mulheres, durante 3 meses, diariamente, em estrias causadas pela gravidez e demonstrou uma boa resposta dessa terapia na melhora do aspecto da pele. Um outro estudo  anterior havia demonstrado a ineficácia do tratamento com concentração menor (de 0,025%) então é importante ficar atenta e essa questão. A tretinoina, ou acido retinóico também tem boa ação em cicatrizes causadas pela acne .
  • Peelings: os peelings tem a mesma ação dos ácidos, no entanto, de uma forma mais acelerada e intensa, geralmente levando a um melhor resultado. Também deve ser evitada a exposição solar.
  • Subcisão (subcision): esta técnica consiste na introdução de uma agulha grossa, com ponta cortante, ao longo e por baixo da estria, com movimentos de ida e volta. O trauma causado leva à formação de tecido colágeno no local, que preenche a área onde o tecido estava degenerado. Provoca equimose (mancha roxa), que faz parte do tratamento, pois a reorganização do sangue também dá origem à formação de colágeno. Um estudo  feito em 2005 por uma equipe mexicana, com 14 pacientes não chegou a bons resultados com o método. Apenas 3 dos pacientes tiveram uma melhora no quadro com o procedimento. Apesar de um grupo ser pequeno esse foi o único estudo realizado avaliando a subincisão e que acabou por não recomendar o método no tratamento das estrias.
  • Dermoabrasão: o lixamento das estrias provoca reação semelhante à dos peelings, com formação de colágeno mas com a vantagem de regularizar a superfície da pele, que ganha mais uniformidade, ficando mais semelhante à pele ao redor. Segundo o site da dermatologista Denise Steiner  a dermoabrasão também constitui técnica válida, promovendo estímulo para a reorganização dos tecidos da estria. Deve ser feita muito suavemente, sem provocar sangramento, com lixa de diamante, a intervalos semanais. Geralmente é associada a intradermoterapia. Existem diversos estudos que comprovam a eficácia da técnica no rejuvenescimento da pele mas nada específico em relação ao tratamento das estrias.
  • Intradermoterapia: consiste na injeção ao longo e sob as estrias de substâncias que provocam uma reação do organismo estimulando também a formação de colágeno nas áreas onde as fibras se degeneraram. Além disso, a própria passagem da agulha provoca uma discreta subcisão. Também não encontrei nenhum estudo que avaliasse essa técnica cientificamente no tratamento das estrias.
  • Laser: a aplicação do laser provoca o fechamento dos pequenos vasos nas estrias avermelhadas e promove a formação de novo colágeno, com diminuição do tamanho das estrias recentes ou antigas. Um estudo recente de 2008 com 20 mulheres feito por um grupo brasileiro de Porto Alegre, demonstrou a eficiência do laser no tratamento das estrias vermelhas, 55% das pacientes consideraram o tratamento excelente contra 40% dos médicos que as avaliaram.
  • luz intensa pulsada (IPL) é uma luz diferente do laser emitida por um aparelho de banda larga. A sua eficácia é conhecida para o tratamento contra o envelhecimento na promoção de colágeno e ordenamento das fibras elásticas. Um estudo de 2002 feito por um grupo de El Salvador com 20 mulheres comprovou boa eficácia do procedimento no tratamento das estrias após 5 sessões quinzenais de tratamento.
Para melhorar (mesmo!) as estrias normalmente são necessários vários tratamento.

Para melhorar (mesmo!) as estrias normalmente são necessários vários tratamento.

Estes são procedimentos médicos e apenas os médicos devem realizá-los, indicando o que for melhor de acordo com cada caso. Os melhores resultados costumam aparecer com a associação de mais de um método.

Para saber mais:

  •  Uma matéria de 2005 da revista Boa Forma traz uma reportagem interessante com entrevistas com vários dermatologistas famosos a respeito do tratamento contra estrias. Vale a pena dar uma olhada.
  • No site do dermatologista Otavio Macedo, autor do livro A construção da beleza também tem uma página  interessante sobre estrias para quem quiser ler mais sobre o assunto.

Read Full Post »